21 de ago de 2011

WAPI: Eu Africanizo São Paulo - Graffiti Feminista de Agosto 2011

"O patriarcado é o verdadeiro racismo"

 Fomos convidadas para participar da intervenção de graffiti no Projeto "WAPI - Eu Africanizo São Paulo", ocorrido no CEU Inacio Monteiro, na Cidade Tiradentes-SP.
A manisfestação foi construida trabalhando a questão racial e tendo como objetivo central denunciar a mídia marjoritariamente racista que vem inserindo personagens negras/os em seus programas, com o objetivo de mascarar os conflitos raciais brasileiros, assim como fazem com a questão de gênero. 
Tommie Smith e John Carlos,
na Olimpiada 68, reverenciando
o Partido dos Black Panthers
Os punhos erguidos e serrados foram retirados da famosa manisfestação de Tommie Smith e John Carlos, na Olimpiada 68, onde os dois atletas subiram no pódio e fizeram o gesto símbolo do Partido Black Panthers. Protesto que terminou levando-os a serem banidos dos jogos pelo O Comitê Olímpico Internacional (COI).
Nossa intenção em pintar um homem, no meio e em destaque, algo que nunca fizemos antes,  foi porque acreditamos que é responsabilidade de qualquer homem do movimento negro  manter visível a história das mulheres de sua comunidade, mas não com a típica idolatria das fases pré-patriarcais e sim como uma ação que visa ressaltar a história de luta e de resistência contra a opressão, onde as mulheres tiveram, e tem, um papel fundamental para a libertação humana. Assim, se nós mulheres feministas conseguimos assumir a responsabilidade de representar homens oprimidos, com a real dignidade que merecem, também podemos cobra-los a fazer o mesmo. 
Se ainda hoje vemos homens negros, em geral, criando letras de músicas e poemas que coisificam o corpo das mulheres negras, ou seja, "exaltam" suas qualidades físicas, ao invés de destacarem as qualidades intelectuais, é por que, de modo geral, lhes falta uma consciência feminista capaz de mostrar a responsabilidade dos mesmos em manter a história destas mulheres vivas, como uma forma de resistência e respeito.
Mulheres como Sueli Carneiro, Angela Davis, Dandara, Rosa Parker, Rainha Nzinga, foram alguns dos nomes que marcamos no muro, pelo fato destas, através de suas ações, escritos e prostestos, terem marcado seu nome na história. 
Não foi atoa que colocamos o aparelho de tv no local do falo da figura pintada e, dentro dela, a representação da ideologia racista do "Tio Sam", pois assim como é comum aos racistas apagarem a história d@s negr@s no desenvolvimento da humanidade, é comum aos homens machistas apagarem as mulheres da história de sua luta, ou coisificando-as com uma idolatria de imanência, neste contexto "O racismo é o machismo potencializado."

Viva a Insurreição Feminista
GRIF Maçãs Podres

Nenhum comentário: