7 de out de 2010

Dilma é Pró-vida (das mulheres) ou Pró-Aborto?

Carta de Dilma para os Cristãos
Uma semana antes da eleição se intensificou na net a divulgação de emails e notícias que afirmavam que a candidata do PT seria pró-aborto. Nas "análises políticas" que ocorriam durante a apuração, domingo passado, esta hipótese foi levantada na tentativa de explicar os motivos que fizeram Dilma não vencer no 1º turno, como apontavam as pesquisas eleitorais.
É engraçado observar como os conservadores combatem o conservadorismo: o PT criou a imagem da "Mãe Dilma" e "os partidos de Direita" se fundamentam na religiosidade para criarem argumentos contra Dilma. "Mãe é aquela que pariu, mas se Dilma é favorável ao aborto, logo não é mãe", pensaram os partidários do "PSDbeus ".
Como as Maçãs Podres não possuem pudores relisiosos, vamos pegar uma onda na moral conservadora e argumentar com ela só pra mostrar sua contradição.
Hoje, o MSN publicou uma entrevista do Ciro Gomes em que ele sentencia, irônica e contraditoriamente, que "ninguém é a favor do aborto". Abaixo vai o trecho da entrevista do coordenador de campanha do PT, Ciro Gomes :

"... o PSDB trazer em socorro de sua débâcle eleitoral a calhordice da mistificação religiosa. Aí a imundície está tomando conta, essa coisa do ódio religioso, da intolerância trazida para a política. A disseminação, principalmente na internet, de que Dilma seria favorável ao aborto atrapalhou a sua eleição em primeiro turno? Não acho. A Dilma falou com muita clareza que não é a favor do aborto. A questão é posta em si em termos calhordas, desonestos. Ninguém é a favor do aborto. Isso é um assunto da intimidade da mulher, da família, de seu conjunto de valores morais, éticos, religiosos e uma ação de saúde. Essa é a única discussão possível. O presidente da República tem zero poder nesse assunto. Só quem pode regulamentar esse assunto é monopolisticamente o Congresso."

Toda esta polêmica se faz desnecessária. Dilma já declarou ser contra o aborto. Durante esta semana ela reafirmou isso, como já tinha feito na campanha eleitoral. Na busca pelos votos religiosos, que correram para a urna da Marina Silva, a candidata do PT declarou:

"Eu não tenho problema de tocar nesta questão religiosa. Eu sou de uma família católica. Eu sou e sempre fui a favor da vida".


Com argumentos de que o Governo financia o Bolsa Família, que ela parou a campanha eleitoral por causa do nascimento e batizado do neto, Dilma comprova que é realmente pró-vida. E se não for, lamentamos que ela tenha se tornado tão submissa a ponto de "mudar sua opinião" sobre uma das questões mais fundamentais para as mulheres. Mas "erra é humano", "perdoar é divino" e a qualquer momento uma pessoa pode se arrepender o que fez, se entregando aos braços do Senhor.  Por isso crentes, votem na Dilma, pois assim como o apóstolo Paulo, ela encontrou a Luz (do Parto).
E Ciro, será mesmo que somos unilateralmente contra o aborto? No mínimo, somos favoráveis a libertação do corpo das mulheres, quem sabem este eufemismo permita que a descriminalização ocorra.

Texto: Ana Clara Marques e Patrick Monteiro

3 comentários:

D@lv@ Ch@ves disse...

Discriminalizar é sem dúvida a chave desta entrada difícil de acessar e de falar, e que como vimos virou o suposto motivo do 2.º turno.
Falar do assunto implica em falar de tudo o mais que envolve a decisão pelo aborto. Falar em discriminalizar o aborto implica em pensar a formação humana, a formação que permita alguém chegar a competência pessoal de fazer escolhas, acho que a discussão está muito além de querer ou preterir uma gestação... mas, claro, é o primeiro e difícil passo que precisa ser dado.

Maçãs Podres disse...

oi Dalva
Se falar de aborto é difícil, podemos supor o quanto mais doido seja relalizá-lo.
Existem vários caminhos para este debate, mas a única via que não pode ocorrer é negligeniarmos o fato do aborto já é uma prática constante no Brasil.
Porém,criminalizada, ela leva a óbito apenas mulheres de baixa renda que não podem pagar por clínicas "limpas" e médicos "gabaritados", se submetendo aos caprichos de carniceiros e traficantes de medicamento.
Defender a criminalização do aborto é, no mínimo, desconsiderar o negócio clandestino destas clínicas que lucra pela miséria e morte alheia. É desconsiderar e não se solidarizar com as mulheres que mais sofrem com a desiguladade social. É apoiar os privilégios de quem tem dinheiro e que por isso passam por cima das leis, sem prejuizo e com lucro. Além de se posicionar ao lado dos machos que no fundo pouco se importam verdadeiramente com a questão de abortar ou não, pois o corpo violentado não é o deles.
Se a mulher faz um aborto, ele fica livre. Se ela não o faz, ele pode perpetuar seu nome (ou não) e sua virilidade, para toda a sociedade, sem demais compromissos, pois como afirma o machismo "quem pariu matheus que balance, mesmo que isso foda sua vida ou que você tenha que vê-lo chorar de fome.

Saudações Feministas!

D@lv@ Ch@ves disse...

Só corrigindo...
onde se lê no meu comentário "discriminalizar" leia-se "descriminalizar"... rsss. Bjs.