21 de dez de 2010

Breve introdução para um estudo religioso do aborto

O texto abaixo foi produzido por Beto Quintas, do blog Racunhos de um Pagão - leitor antigo do blog Maçãs Podres - e servirá de introdução para um estudo que publicaremos sobre religiões e a questão do aborto. Por direito, ele expressa suas opiniões e luta , que não podem ser "ipsi literis" iguias as nossas, por sermos um grupo feminista ateu, porém, sua colaboração,  é de grande valia.  

A Mulher e as Religiões

http://pt.fantasia.wikia.com/wiki/Gaia
"Dentro do tema do meu blog, as religiões e culturas dos povos da Antiguidade, a dita civilização clássica foi a principal fonte da misoginia que se alastrou pela Idade Média, pelas vias da doutrina da Igreja.
Felizmente, nem todos os povos antigos foram assim. Os Etruscos forma conhecidos não apenas pelo estado de urbanização e cultura avançada, mas pela igualdade de gênero. Entre os Bretões [e povos Celtas em geral] a mulher assumia cargos de importância social como rainhas, sacerdotisas e guerreiras. Ao contrário das civilizações clássicas [Gregos e Romanos] as Deusas eram tão senão mais adoradas que os Deuses. Os mitos demonstram uma equivalência de poder e força entre Deuses e Deusas.
No Oriente Médio temos as grandes civilizações dos Hititas, dos Filisteus, dos Cananeus, dos Frígios, dos Assírios, dos Acadianos e Sumerianos, de onde se originaram o culto à Deusa-Mãe.
Na África, temos a civilização dos Egípcios onde a história ainda se lembra das mulheres-faraó que reinaram e deixaram sua marca de beleza na arte, como Nefertiti, Hashepsut, Cleópatra.
Em suma, das civilizações antigas, apenas a dos Gregos e a do Romanos a condição da mulher estava abaixo da condição de um escravo. Riane Eisler declara que os antigos Gregos adultos mantinham um relacionamento com garotos exatamente porque desprezavam a mulher. Os Romanos consideravam a mulher uma propriedade do pater-familias, para ser trocada ou negociada em algum casamento, sem contar ser comum a manutenção de cortesãs ou mesmo preferir deitar-se com uma serva do que com a esposa.
Tanto em Roma quanto em Atenas era comum haver hieródulos, templos onde existiam a prostituição sagrada. A única exceção são as vestais, mulheres que se tornam sacerdotisas de Vesta, a sociedade romana tinha tão alta estima por estas sacerdotisas que elas é quem consagravam os Césares.
O pouco que sabemos dos mitos da civilização clássica foi feita em um período tardio, quando o poder estava nas mãos do patriarcado e isto refletiu nas obras de Hesíodo - Teogonia - bem como em obras posteriores. Tornou-se comum para as elites dominantes demonizar as divindades primordiais e diminuir a influência das Deusas, ressaltando e sustentando o modo de dominação patriarcal.
As três grandes religiões mundiais - monoteístas - refletem bem esse aspecto social, político e religioso onde a mulher é vista como a grande culpada [pecadora] pela queda da humanidade e pelo sofrimento advindo de nossa condição carnal.
Felizmente a humanidade cresceu e adquiriu conhecimento. Veio o Renascentismo, as revoluções, a indústria. A Igreja começou a perder o poder. A autoridade da elite patriarcal começou a ser contestada. Alternativas de Estado, de Regime, de Espiritualidade, de Crença, surgiram.
No inicio da década de 60 (1954) estes eventos deram condição para a humanidade começar a se libertar da autocracia dos regimes ditatoriais e teocráticos. Junto com a Contracultura e a Revolução Sexual surgiu e cresceu o Neopaganismo, onde as mulheres estão reencontrando seu espaço e sua expressão, retomando o lugar que também lhes pertence por direito, encontrando meios para se ressacralizar e reconduzir a humanidade a redescobrir que ambos os gêneros possuem alma e espírito, ambos os gêneros são igualmente divinos e sagrados, ambos os gêneros são igualmente competentes para exercer o sacerdócio, ambos os gêneros são igualmente capazes para cargos políticos.
Oxalá em alguns anos a humanidade possa reestabelecer a Deusa no trono do mundo."


Por Beto Quintas, para o blog Maçãs Podres

Um comentário:

Anônimo disse...

Um ponto interesante no texto: a tal da "prtostituição sagrada" só era particada em sociedades patriarcais.Faz todo o sentido uma vez que reduzir nós mulheres á mercadorias é uma característica forte do patriarcado,não importa o quanto de palavras floriadas,filósoficas ou religiosas se usem para disfarçar/justificar esta negação de nossa humanidade.Podem observar que nas demais sociedades,as mulheres exerciam cargos de sacerdotiza,cargos políticos,provavelmente tinham os amantes que queriam e nem por isso eram reduzidas á mercadorias do desejo masculino.

Excelente texto,tem coisas aí que a gente não encontra facilmente em livros de História...bom,sabemos porque,não é =p?