Minha foto
MULHERES DO MUNDO: UNÍ-VOS - Caros homens... Não há mistérios a serem descobertos, Se não nos entendem, É porque nos mantiveram presas em seus castelos, Nossas vulvas não são caixinhas de música, E as peças não se encaixam como brinquedos, Qualquer homem que se dedicou a conhecer o cativeiro, Não encontrou problemas em desvendar nossos segredos, Nosso corpo, Não é si não, um outro corpo, Por onde o sangue circula. Já nos cortaram a pele com navalhas, Já nos estupraram sem culpa, Durante séculos, vivemos em vossas senzalas, Simplesmente não lhes daremos armas, Os homens construíram suas prisões, E jogaram as chaves fora de nossas muralhas, É hora de declarar guerra e derrubar a barreira que nos separa!

30/04/2011

Estuprada por cerca de 300 homens, Lara Logan, repórter da CBS, dá entrevista

Em 11 de fevereiro, a Lara Logan e um correspondente da CBS News, estava em Tahrir Square prepararando um relatório para o jornal "60 Minutos" quando o clima de comemoração, de repente virou ameaça. Ela foi afastada de seu produtor e do guarda-costas por um grupo de homens que rasgaram suas roupas e lhe batendo, tatearam todo o seu corpo. Lara Logan, quando foi abusada sexualmente por uma multidão na noite em que o governo de Hosni Mubarak no Cairo caiu, pensou que ia morrer. Depois de um mês ela retornou ao trabalho e deu uma entrevista ao The New York Times, contando que estima que o ataque envolveu 200 a 300 homens.
"Por um longo período de tempo, eles me estupraram com suas mãos".
Lara Logan
Sua experiência no Cairo, demosntrou-lhe o quanto as jornalistas do sexo feminino estão frequentemente expostas a um tipo diferente de violência. Enquanto outras formas de violência física, que afeta os jornalistas, são amplamente divulgadas, como o traumatismo crânio-encefálico "sofrido pelo âncora da ABC News Bob Woodruff no Iraque, em 2006”, ganhou uma reportagem de primeira página – entretanto as ameaças sexuais contra as mulheres são raramente falada nos círculos jornalísticos ou na mídia. “Com a violência sexual” , diz Logan, “você só tem a sua palavra para curar as feridas físicas. Você não precisa carregar a prova do jeito que você faria se você tivesse perdido a perna ou o braço no Afeganistão ".
Pouquíssimas pesquisas foram realizadas sobre a violência sexual que afetam as jornalistas em zonas de conflito. Mas nas semanas seguintes do ataque sofrido por Logan, outras mulheres contaram que sofreram perseguição e agresssões durante o trabalho, e grupos como o Comitê para a Proteção dos Jornalistas disseram que iriam rever os seus manuais para uma melhor resposta a violência sexual. O presidente da CBS e o produtor executivo do "60 Minutes", Jeff Fager, disse que a vioência sofrida pela Sra. Logan iria aumentar a conscientização sobre o problema. "Há um código de silêncio sobre isso que eu acho que é do interesse de Logan e nosso quebrar".
Até então o único comentário público sobre o estupro ocorreu quatro dias depois do acontecido, quando Logan ainda estava no hospital. Ela e o Sr. Fager elaboram uma breve declaração que ela havia "sofrido uma agressão brutal sexual e de espancamento." Nessa declaração, Logan disse, "não me deixem carregar o fardo sozinha, com o meu pequeno segredo sujo, algo que eu tenha de me envergonhar."
O violência aconteceu no dia em que Logan retornou ao Cairo, tendo deixado o local uma semana mais cedo depois de ter sido detida e interrogada pelas forças egípcias. "A cidade estava em chamas com uma celebração" pela saída Mubarak, disse ela, comparando-o a festa do Super Bowl (final do campeonato de futebol americano). Ela e uma equipe de filmagem atravessam a Tahrir Square, o epicentro das comemorações, entrevistando egípcios e tirando fotos com pessoas que queriam ser vistas com uma jornalista americana. "Houve um momento em que tudo deu errado", lembrou.
Quando o cinegrafista, Richard Butler, foi trocar a bateria, colegas egípcios que acompanhavam a equipe de filmagem ouviram falar de homens nas proximidades querendo tirar as calças de Logan. Ela disse: "foi literalmente o momento em que a multidão se lançou sobre mim e eles disseram 'Temos que sair daqui.'". Butler, o produtor de Logan, Max McClellan, e dois motoristas, contratados localmente, ficaram "indefesos", disse Fager, "porque a multidão era tão poderosa". O guarda-costas que havia sido contratado para acompanhar a equipe foi capaz de ficar com Logan por um breve período de tempo. Fager disse para Max, “ver o guarda costa sair da multidão, sem ela, foi um dos piores momentos,". Eles estimam que ficaram separados dela por cerca de 25 minutos.
Logan se recusou a entrar em detalhes sobre o ocorrido, mas disse: "Minhas roupas foram rasgadas em pedaços e o que realmente me impressionou foi como eles foram implacáveis. Eles realmente gostaram de ver a minha dor e sofrimento. Ela (a dor e o sofrimento) incitou mais violência neles".
Depois de ser resgatada por um grupo de civis e soldados egípcios, ela foi rapidamente transportada de volta para os Estados Unidos. "Ela estava muito traumatizada, como você pode imaginar, por um período de tempo", disse Fager.
Logan disse que decidiu quase imediatamente que falaria sobre a violência sexual tanto em nome das jornalistas que sofreram agressões similares, como em nome de "milhões de mulheres ‘mudas’ que estão sujeitas a ataques como este e ainda piores".
Mais de uma dúzia de jornalistas foram detidos na Líbia nos últimos dois meses, incluindo quatro que estavam trabalhando para o The Times. Uma das jornalistas do Times, Lynsey Addario, disse que, “repetidas vezes, foi tocada e assediada por seus captores líbios”. Para a Sra. Logan, saber da experiência da Sra. Addario "dificultou" sua recuperação. Quanto o chefe da CBS, disse que ela iria retornar ao Afeganistão e outras zonas de conflito, ela disse que - por enquanto – preferia não relatar de países do Médio Oriente onde os protestos foram generalizadas. “Quer queiramos ou não, nos tornamos inimigas destes regimes graças a própria natureza do que fazemos - a comunicação de informações".
Antes do ocorrido, Logan disse que não sabia sobre os assédio e abuso que as mulheres no Egito e em outros países sofriam regularmente. "Eu teria prestado mais atenção se eu soubesse de algo neste sentido. Quando as mulheres são perseguidas e submetidas a esta violência na sociedade, (é porque os homens) eles negam (as mulheres) um lugar igual na sociedade. Os espaços públicos não nos pertencem. Os homens os controlam. (e assim) Eles reafirmam seu papel de opressor na sociedade. "
Depois do "60 Minutes" , porém, ela não tem a intenção de dar outras entrevistas sobre o assunto. "Eu não quero que isso me defina", disse ela. Ela disse que o apoio demonstrado pelo Sr. Fager, outros na CBS e pessoas estranhas - como a classe de escola no Texas e o grupo de mulheres na ABC News, que escreveram cartas para ela - foram uma parte em sua recuperação, pois "deram-me uma segurança muito grande e restaurando-me a dignidade e a auto-estima". Entre as cartas que recebeu, destacou ela, a de uma mulher que vive no Canadá e que foi estuprada na traseira de um táxi no Cairo no início de fevereiro, em meio a protestos do Egito. "Essa pobre mulher ia para o aeroporto pedindo para as pessoas ajudá-la e quando ela voltou para casa, sua família lhe disse para não falar sobre isso. Enquanto lia a carta, eu começei a soluçar” disse ela.
---------------------------------------------------------
Fonte: The New York Times

Nenhum comentário: